APRENDA A ADUBAR PLANTAS


Ter um solo de qualidade é o fator principal para um cultivo de sucesso. Nele, as plantas extraem os macro e micronutrientes necessários para crescerem e se desenvolverem. No entanto, depois de muito utilizada, a terra precisa ser adubada.

Para saber como funciona esse procedimento, é necessário primeiro entender para que servem e quais os tipos de adubos existentes na atualidade.

Os adubos dependem diretamente da necessidade de nutrientes tanto da planta como do solo, sendo divididos entre adubos orgânicos, que são aqueles que obtidos através de matéria vegetal ou animal (hortas domésticas e orgânicas), e adubos químicos/inorgânicos, que são aqueles extraídos de minerais ou do petróleo.


É verdade que, mesmo com todos os cuidados necessários, alguns cultivos não conseguem se desenvolver de maneira plena e, consequentemente, vão perdendo a força. Nesses casos, indica falta de adubo. A solução é:

  • Frutíferas (6 meses): irrigação com frequência e adubação radicular rica em fósforo (P) para incitar o aparecimento de frutos e flores. Para isso, faça uso de adubos orgânicos.
  • Floríferas (2 a 3 meses): Para obter um resultado rápido, é indicado adubação com fertilizante químico de liberação controlada. As alternativas orgânicas são consideradas quando não se há controle sobre a dosagem.
  • Folhagens (3 a 4 meses): Faça a fertirrigação com adubo químico. Há também a opção de utilizar adubos orgânicos de origem animal.



Atenção:

Adubo em excesso pode resultar no desenvolvimento anormal de plantas, bem como queimaduras, murchidão e apodrecimento das raízes. A composição química também pode comprometer o solo e os lençóis freáticos, levando até mesmo a desastres ambientais.

0 Comentários